Posted on

Ultrassonografia com contraste é método eficiente para detecção de endoleaks após reparo endovascular do aneurisma da aorta

Estudo compara o exame com a angiografia por tomografia computadorizada

A correção endovascular de aneurisma de aorta é atualmente considerada uma alternativa válida e segura em pacientes com aneurisma de aorta abdominal adequados para correção cirúrgica aberta. Essa técnica está associada com mortalidade e morbidade perioperatórias significativamente reduzidas, bem como menor tempo de internação. No entanto, também está associada ao risco de complicações pós-operatórias, como crescimento aneurismático persistente, formação de novo aneurisma, endoleaks, potencial ruptura, trombose do dispositivo, migração ou torção. O estudo de hoje foca nas técnicas de detecção dos endoleaks internos, definidos como presença de sangue dentro do saco, mas fora do dispositivo com stent, a complicação mais comum do procedimento.

Resumo:

Objetivo: O objetivo da revisão sistemática e meta-análise foi avaliar a sensibilidade e especificidade da ultrassonografia com contraste em comparação com a angiografia por tomografia computadorizada para a detecção de endoleaks na vigilância do reparo endovascular do aneurisma da aorta no momento de acompanhamento.

Métodos: Uma pesquisa bibliográfica abrangente foi realizada entre os quatro principais bancos de dados (PubMed, Embase, Scopus e Ovid) para identificar todos os artigos que avaliam a especificidade e precisão do diagnóstico com modalidade comparativa para endoleaks em pacientes adultos no momento do acompanhamento após reparo endovascular do aneurisma da aorta. Os bancos de dados foram avaliados e avaliados até outubro de 2018.

Resultados: Um total de 1773 pacientes foram analisados ​​em 18 estudos incluídos na análise quantitativa dos parâmetros de interesse. Não houve diferença significativa na taxa de detecção de endoleak interno tipo I com taxa de detecção de 4,3% para ambos os grupos OU 1,09, IC de 95% [0,78, 1,53], p = 0,62; a taxa de detecção de endoleak interno tipo II foi de 22% no grupo ultrassonografia com contraste vs 23% no grupo angiografia por tomografia computadorizada OU 1,16, IC 95% [0,75-1,79], p = 0,50; enquanto a taxa de detecção do tipo III foi de 1,8% no grupo ultrassonografia com contraste vs 2% no grupo angiografia por tomografia computadorizada OU 0,85, IC de 95% [0,43, 1,68], p = 0,64. No entanto, a taxa de sensibilidade para detecção de endoleak interno foi maior na ultrassonografia com contraste (p = 0,001), enquanto nenhuma diferença na taxa de especificidade foi observada (p = 0,28). Houve maior taxa de endoleaks perdidos em grupos de angiografia por tomografia computadorizada (n = 12 vs n = 20).

Conclusão: As evidências sugerem que a ultrassonografia com contraste após reparo endovascular do aneurisma da aorta pode ser utilizada como método seguro e eficaz na triagem de endoleaks durante a vigilância após o procedimento, sem expor o paciente a risco adicional de radiação e contraste. A ultrassonografia com contraste não transmite inferioridade à angiografia por tomografia computadorizada na detecção de endoleaks internos.

Palavras-chave: Ultrassom, Angiografia, Estudo de contraste, EVAR, Tomografia computadorizada

Confira a íntegra do estudo:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *