Posted on

Entenda como o ultrassom pode ajudar na inserção da agulha para aplicação de toxina botulínica

J Rehabil Med 2014; 46: 1042–1045

A ultrassonografia é uma técnica muito importante para a precisão do agulhamento em bloqueios, principalmente quando realizados em músculos de pequenas dimensões e situados em planos profundos. Por isso, hoje trouxemos um estudo que mostra sua aplicação nos músculos do antebraço em pacientes adultos após AVC. Confira:

Resumo

Objetivo: Investigar a precisão da inserção manual da agulha para injeção de toxina botulínica tipo A nos músculos do antebraço de adultos com punho flexionado espástico e punho cerrado como consequência de AVC (acidente vascular cerebral).

Desenho: Estudo clínico prospectivo.

Pacientes: Um total de 41 adultos com acidente vascular cerebral crônico que foram programados para receber injeção de toxina botulínica tipo A nos seguintes músculos do antebraço: flexor radial do carpo, flexor ulnar do carpo, flexor superficial dos dedos e flexor profundo dos dedos.

Métodos: De acordo com as sugestões do Atlas de Huber & Heck para o tratamento da espasticidade com toxina botulínica, a identificação da superfície dos músculos a serem injetados foi realizada por meio de palpação e pontos anatômicos. A precisão da inserção da agulha e a espessura do músculo no local da inserção da agulha foram avaliadas por meio de ultrassonografia.

Resultados: A precisão geral da inserção manual da agulha avaliada por ultrassonografia foi de 51,2%. A precisão foi significativamente maior para os flexores dos dedos do que para os flexores do punho (63,4% versus 39,0%). Os flexores dos dedos eram significativamente mais grossos do que os flexores do punho (média 1,58 versus 0,49 cm).

Conclusão: A orientação instrumental deve ser usada para atingir uma precisão aceitável da inserção da agulha ao realizar injeções de toxina botulínica tipo A nos músculos do antebraço de pacientes com AVC crônico com punho flexionado espástico e punho cerrado.

Palavras-chave: hipertonia muscular; mão; reabilitação; extremidade superior.

Veja o artigo na íntegra:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *