Posted on

Pólipos uterinos acometem cerca de 40% das mulheres

Entenda seus principais sintomas e como diagnosticá-lo ao ultrassom

Pólipos são saliências sólidas no endométrio de tamanho variável, em geral de 0,5 a 3,0 centímetros e podem ser solitários ou múltiplos. A causa de seu aparecimento parece estar ligada a fatores hormonais e genéticos, mas podem ocorrer como consequência de inflamação, trauma ou gestação.

A localização dos pólipos pode ser em altura de fundo, corpo, sendo comum em região endocervical. São encontrados em aproximadamente 4% das mulheres e ocorrem com maior frequência na perimenopausa e em multíparas entre 30 e 50 anos.

Sintomas de pólipos

Os pólipos são quase sempre benignos e na maior parte das vezes são assintomáticos. Os sintomáticos podem causar:

  • Metrorragia;
  • Sangramento pós-coital;
  • Hipermenorréia;
  • Sangramentos após a menopausa;
  • Corrimento vaginal.

Embora menos frequente, ocorre também de pólipos grandes saírem pelo canal do colo uterino e ficarem “estrangulados”, prejudicando sua circulação podendo ocasionar necrose.

Evolução e manejo

Algumas vezes, a presença de pólipos está associada com a proliferação (hiperplasia) do endométrio, que é relacionada ao câncer endometrial. Mas, quando não há hiperplasia, o pólipo raramente pode dar origem ao câncer.

Em caso de detecção de pólipos uterinos, o mais indicado é seguir o acompanhamento. Caso opte-se pela remoção, é importante determinar a origem exata do pedículo do pólipo, evitando hemorregias graves. A histeroscopia cirúrgica ambulatorial é uma ótima técnica para remoção de pólipos de 2 a 3 cm.

O que observar ao ultrassom

Durante o US, o pólipo apresenta as seguintes características:

  • Imagem alongada
  • Visualizada tanto no transverso quanto no longitudinal;
  • Geralmente é hiperecogênica, por isso costuma ser melhor visualizada na primeira fase do ciclo menstrual;
  • O estudo Doppler traz informações importantes, com presença de pedículo vascular.

Tem como principal diagnóstico diferencial o mioma submucoso, entretanto a lesão citada tende a ser, na maioria das vezes, hipoecogênica.

17 Replies to “Pólipo endocervical: sintomas e como diagnosticar”

  1. Ola Cetrus! Estão de parabens, espero mais casos relacionados, assim ajuda-nos a revisar certos conteudos do dia a dia no consultorio medico.
    Gostei do caso clinico, principalmente das imagens ecograficas. Aqui em Moçambique, sangramento uterino anormal, é a queixa mais frequente referida pelas pacientes de todas faixas ectarias, em algum momento é dificil pensar no polipo endocervical, pior quando ao exame especular não é visivel. Além da histerossonografia que é invasivo, a ultrassonografia transvaginal, faz sim muita diferença para o diagnostico imagiologico dos polipos endocervical. Cetrus e colaboradores, parabens, aguardamos mais casos.

  2. Fui aluno Cetrus em vários cursos precencias! Todos os professores muito competentes e amigos. Só tenho que agradecer por me incluir nesse projeto da Cetrus! Abraços a todos da Cetrus ém especial ao mestres Dr. Cláudio e Dr. Zanforlin.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *