Posted on

Entenda qual é a conduta a ser seguida em pacientes sintomáticas e assintomáticas

Embora ocorra entre os 20 a 50 anos, 72% dos casos de cisto de Bartholin são diagnosticados em mulheres abaixo dos 30 anos e apenas 10% acima dos 40

Paciente com cisto de bartholin

O cisto do duto de Bartholin se caracteriza pela obstrução não infecciosa do duto distal, resultando no acúmulo de secreções e aumento da glândula, que está localizada posterolateralmente ao óstio da vagina, tendo como função a lubrificação vaginal.

O quadro normalmente se manifesta como uma massa com protrusão medial no aspecto inferior dos grandes lábios, no introito posterior e é cruzado pelos pequenos lábios.

O cisto pode ser identificado quando atinge entre 1 a 4 cm de diâmetro e seu tamanho vai variar de acordo a quantidade de secreção na glândula de Bartholin. A condição apresenta breve aumento em sua extensão durante a prática sexual e redução ou estabilidade em mulheres com atividade sexual reduzida.

Abscesso de Bartholin

O abscesso de Bartholin é ocasionado pela infecção polimicrobiana do fluído do cisto, em vez de uma infecção primária da glândula ou do duto. O quadro pode ser ocasionado pelos seguintes patógenos:

  • Staphylococcus aureus;
  • Staphylococcus epidermidis;
  • Streptococcus faecalis;
  • Estreptococos do grupo B;
  • Espécies de Enterococcus;
  • Escherichia coli;
  • Pseudomonas aeruginosa;
  • Bacteroides fragilis;
  • Clostridium perfringens;
  • Espécies de Peptostreptococcus;
  • Espécies de Fusobacterium;
  • Coliformes;
  • Neisseria gonorrhoeae;
  • Chlamydia trachomatis.

Dados sobre cisto de Bartholin

Os cistos de Bartholin costumam ocorrer entre os 20 a 50 anos, porém, se fazem mais presentes em mulheres em idade reprodutiva. 72% dos casos acontecem antes dos trinta anos e somente 10% acima dos quarenta. Abscessos e cistos de Bartholin também podem se manifestar em neonatos, porém, são casos extremamente raros.

LEIA MAIS: 10 artigos que todo ginecologista deveria ler

Sintomas do cisto de Bartholin

Na maioria dos casos o cisto de Bartholin costuma ser assintomático, indolor e difícil visibilidade e apalpação e raramente é ocasionado por infecções sexualmente transmissíveis (IST). Porém, quando evolui de tamanho, pode despertar sintomas como:

  • Febre;
  • Secreção vaginal;
  • Dor vulvar intensa;
  • Ruptura espontânea;
  • Eritema e induração vulvar;
  • Pressão ou preenchimento vulvar;
  • Desconforto ou dor de intensidade leve a moderada ao caminhar ou sentar;
  • Dispareunia.

Diagnóstico do cisto de Bartholin

O diagnóstico do cisto de Bartholin geralmente é realizado por meio de exame físico, no entanto, a diferenciação dos cistos na região do duto ou da glândula só pode ser realizado através da histopatologia. Observe abaixo como diferenciá-los:

Duto: revestido por epitélio transicional.

Glândula: revestimento do ácino é uma única camada de epitélio colunar ou cuboide.

Para investigar se há ISTs relacionadas faz-se a drenagem da secreção e posteriormente cultura do material.

Ao manejar pacientes acima dos 40 anos, recomenda-se a realização de biópsia para descarte de malignidades. Pois, mesmo havendo casos pós-menopausa que apresentem cistos benignos, nessa faixa etária ocorre redução da resposta secretora e aumento do risco de crescimento neoplásico.

Banner promocional: Conheça os cursos de especialização e pós-graduação do Cetrus. Avance na carreira médica.

Tratamento do cisto de Bartholin

Em pacientes com cisto pequeno e assintomático não é necessário nenhum tipo de intervenção, recomenda-se apenas o uso de banhos de assento ou compressas quentes para ajudar na drenagem. Para as mulheres acima dos 40 anos segue-se a mesma metodologia, desde que a suspeita de malignidade seja descartada.

Em contrapartida, as pacientes sintomáticas necessitam de intervenção cirúrgica, pois o procedimento tem como intuito criar um novo óstil ductal para permitir a drenagem contínua ou a destruição do revestimento das paredes do cisto. Dentre os procedimentos cirúrgicos, é possível utilizar:

  • Marsupialização;
  • Drenagem com cateter;
  • Excisão cirúrgica.

No manejo dos abscessos, se ocorrer a ruptura espontânea, o tratamento conservador em conjunto com antibióticos de amplo espectro e analgesia serão suficientes. Em abcessos pequenos, o uso de curativos quentes ou umedecidos ou banhos de assento regulares propicia a drenagem espontânea do abscesso ou a evolução para um estágio adequado para incisão e drenagem.

Após a realização da drenagem (espontânea ou cirúrgica) é recomendado a utilização de antibióticos de amplo espectro no tratamento. Dentre às opções, o médico pode optar por:

  • Sulfametoxazol/trimetoprima: 800/160 mg, via oral, duas vezes ao dia, por 7 dias;
  • Amoxicilina/ácido clavulânico: 875 mg, via oral, duas vezes ao dia por 7 dias;
  • Clindamicina: 400 mg, via oral, uma vez ao dia, por 7 dias;
  • Cefixima: 400 mg, via oral, uma vez ao dia, por 7 dias.

Quer lidar melhor com esse tipo de quadro? Conheça a Pós-Graduação em Ginecologia Clínica do Cetrus

Referências

BMJ Best Practice. Cisto de Bartholin. Disponível em: https://bestpractice.bmj.com/topics/pt-br/1060/pdf/1060/Cisto%20de%20Bartholin.pdf.

MSD, Manual. Cistos da glândula de Bartholin. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/ginecologia-e-obstetr%C3%ADcia/doen%C3%A7as-ginecol%C3%B3gicas-diversas/cistos-da-gl%C3%A2ndula-de-bartholin.

12 Replies to “Cisto de Bartholin: qual o melhor caminho de tratamento?”

  1. Olá. Apareceu esse bartholin com 4 meses está do tamanho de uma bola de sinuca não sinto nenhum tipo de dor porém está se evoluindo e está incomodado muito quando eu sento ou pedalo de bicicleta… Já procurei o ginecologista particular porém ela mandou eu procurar um hospital pra drenar, cheguei no hospital porém nesse hospital não faz drenagem apenas cirurgia se caso eu tivesse o caminhamento… Agora vou tentar procurar no postinho um clínico geral porque disseram que tenho que passar primeiro pelo clínico para depois ir pro ginecologista… Eu só queria que isso desaparece e nunca mais voltasse, esse caroço me deixa muito mal e triste 😢

  2. O meu estourou o que eu faço, e a glândula está do tamanho de uma ervilha ou maseta doendo muito

  3. Bom dia aos meus 16 anos eu tive esse troço horrível eu estava grávida d meu primeiro filho , agora estou d fui operada n epuca agora estou com um caroço a gora é d lado direito é horrível

  4. Tive isto durante a gravidez tinha 22 anos ..sofria muito dores horríveis ficava internada pra fazer vazar e. Drenar teve uma vez q fui pro centro cirúrgico e não pegava anestesia por causa da infecção e fui cortada no vivo ..foi um alívio …passados anos depois fui operada ..mas o médico operou o lado direito e era o lado esquerdo sofri por 4 meses a recuperação ,passou mas 2 anos fui enfim operada do lado certo e nunca mais sofri essa dor horrível ..foi tenso dolorido e sofrido ..

    1. Passei um tempo na época com isso fiz drenagem voltou novamente depois de 10 anos, fiz drenagem o médico passou antibiótico e anti-inflamatório esse trem voltou de novo depois de 4 meses sofro com essa dor insuportável,eu sonho era acaba com esse sofrimento de vez

    2. Sofro com isso desde de 2018 já fiz drenagem, marsupialização, retirei a glândula e esse troço insiste em voltar e uma dor insuportável que não desejo a ninguém 😕

  5. Sofri muito com isso, depois que rompeu a cicatrização não foi das melhores . Formou uma fistula reto vaginal . Fiz cirurgia e biópsia. Graças a Deus e ao Médico fiquei curada. E horrível. E esse assunto é pouco falado . Parabéns pelo artigo

  6. Fiz essa ciruigia qdo. tinha menos de trinta anos. Era um cisto do tamanho de uma búrica.

  7. Eu já tive e o médico disse que era doença venérea sendo que eu nem contato sexual eu tive.

  8. Sofri muito com esse tipo de cisto…qdo inflamava era muita dor.Por duas vzs passei por esvaziamento e sempre voltava.Fiz cirurgia no lado direito e esquerdo e só assim descansei.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *