Posted on

Neurossonologia: saiba como aproveitar todas as ferramentas do ultrassom na neurologia

A neurossonologia é uma técnica de diagnóstico por imagem que vem ganhando destaque na área médica. Utilizando ultrassonografia, essa abordagem permite avaliar diversas estruturas e funções do sistema nervoso central e periférico, oferecendo informações precisas e não invasivas sobre o estado de saúde do paciente.  

O desenvolvimento contínuo da neurossonologia é importante para que o médico avalie melhor a caixa craniana. O grande salto se deu com o desenvolvimento do exame Doppler Transcraniano e a modernização dos aparelhos de ultrassonografia.

O exame Doppler Transcraniano utiliza ondas sonoras de alta frequência para avaliar o fluxo sanguíneo nas artérias cerebrais e, dessa maneira, o médico consegue avaliar o comportamento do sangue no cérebro.

Seja para diagnóstico e acompanhamento de AVCs, lesões cerebrais, patologias neuromusculares ou outras condições neurológicas, a neurossonologia é uma técnica valiosa para profissionais da área médica que buscam oferecer um tratamento eficaz e seguro aos seus pacientes.

Neste artigo, vamos explorar tudo o que você precisa saber sobre o assunto, desde como esse exame é realizado até suas principais vantagens e indicações clínicas. Continue lendo para entender tudo sobre o assunto!

O que é a neurossonologia?

A neurossonologia é um ramo da medicina que se concentra no estudo das estruturas e funções do sistema nervoso central e periférico por meio da utilização de técnicas de ultrassonografia. Essa área de especialização permite a avaliação não invasiva e em tempo real do fluxo sanguíneo cerebral, da anatomia e das patologias intracranianas, além de outras aplicações mais específicas.

Esse tipo de procedimento pode ser realizado em pacientes de todas as idades, desde recém-nascidos até idosos, e é especialmente útil no diagnóstico e acompanhamento de lesões cerebrais, acidentes vasculares cerebrais (AVCs) e outras doenças vasculares.

Existem diferentes tipos de exames neurossonológicos, que são classificados em duas categorias principais: Doppler e imagem. 

O exame de Doppler usa ondas sonoras de alta frequência para medir o fluxo sanguíneo em vasos sanguíneos específicos no cérebro, permitindo a detecção de obstruções, estreitamentos ou anormalidades no fluxo sanguíneo, enquanto a imagem neurossonológica utiliza ondas sonoras de baixa frequência para criar imagens em tempo real do cérebro, medula espinhal e outras estruturas do sistema nervoso central (SNC).

Entre os exames neurossonológicos mais comuns estão:

  • Doppler transcraniano: avalia o fluxo sanguíneo cerebral;
  • Doppler de carótidas e vertebrais: avalia o fluxo sanguíneo nas artérias do pescoço;
  • Ultrassonografia transfontanelar: realizada em recém-nascidos para avaliar a presença de sangramento ou outras lesões cerebrais.

A neurossonologia também é útil em situações emergenciais, pois permite a rápida detecção de AVCs, traumatismos cranianos, hemorragias cerebrais e outras condições potencialmente fatais.

No entanto, é importante lembrar que essa técnica não é capaz de fornecer uma avaliação completa do sistema nervoso central e periférico, sendo necessária a realização de exames complementares, como a ressonância magnética e a tomografia computadorizada, para obter um diagnóstico mais preciso.

LEIA MAIS: Hipertensão intracraniana: como reconhecer e tratar

Vantagens da neurossonologia

Com a neurossonologia, o médico é capaz de realizar os exames de forma adequada e interpretar os resultados com precisão e critério.

Isso porque os exames neurossonológicos produzem imagens e medições precisas das estruturas do sistema nervoso central e periférico em questão de segundos, permitindo uma avaliação rápida e eficaz de diversas condições neurológicas.

Devido ao amplo campo de aplicação, a neurossonologia geralmente faz parte de uma abordagem multidisciplinar, envolvendo neurologistas, neurocirurgiões, cirurgiões vasculares e intensivistas.

Por fim, outra vantagem dessa metodologia é a sua capacidade de fornecer informações adicionais em tempo real durante procedimentos cirúrgicos ou intervenções neurológicas. 

A neurossonologia intraoperatória, por exemplo, é uma técnica que permite ao cirurgião monitorar as estruturas cerebrais durante o procedimento cirúrgico, permitindo a tomada de decisões mais precisas e reduzindo o risco de complicações.

Uma das principais vantagens da neurossonologia é que, como vimos anteriormente, ela é uma técnica não invasiva e segura para os pacientes, não envolvendo radiação ionizante ou campos magnéticos que podem causar danos ao organismo.

Mas, além disso, outra vantagem dessa técnica é a sua capacidade de fornecer informações em tempo real. Exames neurossonológicos são capazes de produzir imagens e medições precisas das estruturas do sistema nervoso central e periférico em questão de segundos, permitindo uma avaliação rápida e eficaz de diversas condições neurológicas.

Por fim, outra vantagem dessa metodologia é a sua capacidade de fornecer informações adicionais em tempo real durante procedimentos cirúrgicos ou intervenções neurológicas. 

A neurossonologia intraoperatória, por exemplo, é uma técnica que permite ao cirurgião monitorar as estruturas cerebrais durante o procedimento cirúrgico, permitindo a tomada de decisões mais precisas e reduzindo o risco de complicações.

Para quais casos é recomendada?

Um dos casos mais comuns em que a neurossonologia é recomendada é no diagnóstico e acompanhamento de acidentes vasculares cerebrais (AVCs). O exame de Doppler transcraniano, por exemplo, permite a avaliação do fluxo sanguíneo cerebral, identificando obstruções, estreitamentos ou outras anormalidades no fluxo sanguíneo que possam ser indicativos de um AVC.

A neurossonologia também é frequentemente utilizada na avaliação de lesões cerebrais, como tumores, hemorragias e outras anomalias. 

A ultrassonografia transfontanelar, por exemplo, é um exame comumente realizado em recém-nascidos para avaliar a presença de sangramento ou outras lesões cerebrais. O exame também pode ser útil na avaliação de patologias neuromusculares, como a esclerose múltipla, e na detecção de doenças vasculares, como a arteriosclerose.

Outro cenário clínico em que a essa técnica é recomendada são casos de emergências neurológicas, como traumatismos cranianos, hemorragias cerebrais e outras condições que exigem uma avaliação rápida e precisa. Nesses casos, a metodologia é utilizada para avaliar a extensão das lesões cerebrais e ajudar na tomada de decisões terapêuticas.

Além disso, a neurossonologia faz a monitorização hemodinâmica de pacientes neurocríticos, incluindo estimativa indireta da pressão intracraniana, juntamente com a medição do diâmetro do nervo óptico.

A neurossonologia também é um exame utilizado para a detecção da morte cerebral. Por fim, no jargão dos médicos, a neurossonologia deveria mesmo ser considerada o ”estetoscópio do médico para o cérebro”, pois é uma técnica que representa um complemento essencial de uma concepção moderna para atuação do neurologista.

Isso porque a neurossonologia expande a capacidade de os médicos detectarem, localizarem e quantificarem as doenças e avaliarem as respostas hemodinâmicas, fornecendo assim ferramentas para um exame neurovascular à beira do leito.

LEIA MAIS: Diretrizes brasileiras para o uso do ultrassom transcraniano como teste diagnóstico de confirmação de morte cerebral

Como é realizado o exame de neurossonologia?

Foto de médicos realizando neurssonologia.

Como vimos, existem diferentes tipos de exames neurossonológicos, cada um com suas particularidades. Entretanto, é possível dizer que todos são realizados de maneira semelhante.

De maneira geral, o paciente é posicionado em uma maca ou cadeira e o médico aplica um gel condutor no couro cabeludo ou na pele do pescoço, dependendo do tipo de exame a ser realizado. Em seguida, o transdutor é posicionado por sobre a área a ser avaliada, emitindo ondas sonoras de alta ou baixa frequência.

Durante o exame, o médico pode solicitar que o paciente mude de posição ou realize algumas manobras como respirar fundo ou fechar os olhos. Isso permite a avaliação de diferentes aspectos das estruturas cerebrais e periféricas e informações mais completas sobre o estado de saúde do paciente.

Em alguns casos, pode ser necessário administrar contraste intravenoso para melhorar a visualização de determinadas estruturas, como os vasos sanguíneos. Isso será feito por meio da aplicação de um cateter intravenoso antes do exame.

O exame de neurossonologia é geralmente indolor e não causa desconforto significativo para o paciente. Ele pode levar de alguns minutos a cerca de uma hora para ser concluído, dependendo do tipo de exame a ser realizado e da complexidade das estruturas a serem avaliadas.

Quer conhecer mais sobre a neurossonologia. O Dr. Marcos Lange e a Dra. Danyelle Sadala falaram tudo sobre no Med Talks:

Domine o tema e integre o US à sua prática clínica

A ultrassonografia é o único método da prática clínica que permite a avaliação hemodinâmica intracraniana com elevada resolução temporal. Isso possibilita a avaliação em tempo real da direção e velocidade de fluxo e da análise espectral dos vasos encefálicos, o que auxilia na tomada de decisão em diferentes situações clínicas hospitalares e ambulatoriais. Na Pós-Graduação Lato Sensu em Neurossonologia do Cetrus, você:

  • Torna-se apto a executar, analisar e interpretar os achados ultrassonográficos neurológicos obtidos de forma segura e eficaz;
  • Aprende a utilizar a técnica como ferramenta complementar para as doenças do sistema nervoso periférico e central;
  • Treina com protocolos exclusivos para as diferentes patologias, que permitem que você direcione o método conforme sua prática clínica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *